Agri Marketplace: Plataforma digital pioneira no setor dos produtos agrícolas

05-04-2021

        Há quase cinco anos a valorizar o comércio agrícola, a startup Agri Marketplace oferece aos agricultores e cooperativas o que o setor agroindustrial carece: transparência e facilidade no processo de compra/venda. A política digital de comércio direto resolve dificuldades como o acesso ao mercado e a estipulação de uma tabela de preços.  

Tiago Pessoa, CEO (esq.) e Filipe Núncio, COO (dir.)
Tiago Pessoa, CEO (esq.) e Filipe Núncio, COO (dir.)

        A Agri Marketplace é uma plataforma online que prospera entre os vendedores (agricultores e cooperativas) e compradores. Focada numa comunicação B2B (Business to Business - Negócio para Negócio), a empresa tem a missão de se tornar numa referência global de transações dentro cultura alimentar agrícola, oferecendo oportunidades aos cultivadores e às respetivas indústrias de se conectarem com o resto do mundo.

        A problemática começa quando os produtores sentem dificuldade em vender os produtos. "Ou porque têm falta de acesso ao mercado, ou porque não têm estruturas de venda profissionalizadas, não têm skills de marketing, de vendas", revela Tiago Pessoa, CEO da Agri MP, à HORECA Magazine.

        Em finais de 2020, o setor agrícola apresentou, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), um crescimento de 7,2% em setembro, relativamente ao mesmo período do ano anterior. Nuno Russo, antigo secretário de Estado da Agricultura e Desenvolvimento Rural, acredita que os números transparecem a ideia de que o setor deixou de ser visto como "obsoleto e tradicional", e passa a afirmar-se como "competitivo, moderno e inovador tecnologicamente, sendo crucial para a nossa vida em sociedade", revela, numa conferência online organizada pela consultora agrícola Espaço Visual.

        No entanto, há cinco anos, quando a Agri MP se estabeleceu no mercado, o cenário era diferente. O ato de uma compra direta e local não era tão valorizado como hoje. Existia uma excessiva intermediação entre as partes, que, para Tiago Pessoa, não acrescentam valor ao processo - daqui, nasceu a necessidade de uma plataforma facilitadora.

        "Para os vendedores há um benefício de acesso a um mercado global, onde existem mais potenciais compradores a quem se pode vender o produto. Ao comprador, existe uma rede maior de sourcing (abastecimento), de produtos, que estão no mercado, às quais não têm essa proximidade e essa ligação direta e que podem fazê-lo através da nossa ajuda", afirma o CEO.

        Assim, a Agri Marketplace oferece uma plataforma online onde agricultores e cooperativas podem disponibilizar o(s) seu(s) produto(s) para venda. Depois de fazer o registo, são pedidas especificidades e detalhes do produto a vender, como preço, tamanho, origem, entre outras, para serem disponibilizados. Para o comprador, basta escolher entre a variedade disponível. Há ainda um "conversor de cultura" à disposição para ajudar no processo de compra/venda.

        Ao serviço de compra e venda, logística, inspeção e qualidade e segurança de pagamentos, recentemente conseguiram juntar a componente de gestão de amostras. "A gestão de amostras para a indústria é muito importante antes da decisão de compra. É possível criar contraofertas e vendas daquilo que está publicado, numa lógica de maior dinamismo e procurar fechar mais negócios", confirma Pessoa.

        2020 foi o ano em que transacionaram mais de cinco milhões de euros em produtos agrícolas e o feedback tem sido bastante positivo. As transações são classificadas através de um ranking público, que transmite "visibilidade e confiança" tanto aos compradores como aos vendedores.

        A Agri Marketplace passa por um processo evolutivo, em que críticas e sugestões de melhoria são bem-vindas e, se possível, implementadas. Apostam agora na exploração de novos mercados, novos produtos e a relação com os clientes. Internacionalmente, estão presentes em Espanha, França e Brasil.

        Do crescimento do projeto nasce a necessidade de reforçar as equipas comerciais de meios e novos investidores, numa nova ronda de capital. De um modo geral, o futuro passa por apostar na área comercial, no marketing e desenvolvimento tecnológico, assegurando também a consolidação dos mercados onde já operam e trazer consigo um portfólio de novos produtos. 

Conheça a Agri Marketplace em agrimp.com